Menu

Como ajudar uma criança com autismo a tomar banho

Cute little girl washing her hair

Compartilhe nosso artigo com seus familiares, colegas e amigos clicando nos botões a seguir:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

A hora do banho pode ser um momento divertido e gostaríamos de ajudar você e a sua criança, adolescente ou adulto com autismo nesta tarefa. Leia abaixo algumas ideias e recomendações que podem ser úteis para ajudar uma criança com autismo a tomar banho:

Facilite a transição da criança com autismo para o banheiro

Podemos nos preparar para a transição de atividades e de ambientes oferecendo explicações para a pessoa com autismo sobre a chegada do momento do banho. Por exemplo, podemos mostrar um quadro de rotina visual  daquele dia ou cartões que sinalizem a hora do banho; podemos aplicar o método “3,2,1” de contagem regressiva dos minutos para avisar à pessoa com autismo paulatinamente que a hora do banho está se aproximando ou ainda fazer sinaleiras de cartolina ou E.V.A. com círculos ou barras que vão diminuindo para demonstrar visualmente a passagem do tempo e a aproximação da hora do banho; ou podemos usar músicas, percussões, efeitos sonoros ou gestos para marcar o final da atividade anterior e anunciar que a próxima atividade será o banho.

Nós podemos encorajar o momento do banho com energia e entusiasmo, ao mesmo tempo em que buscamos tornar outras atividades que competiriam com o banho indisponíveis. Após a contagem regressiva, quando chegar o momento da criança com autismo tomar banho podemos desligar a TV ou o computador, fecharmos as portas para os quartos e nos despedirmos das outras pessoas que não participarão do banho conosco.

Torne o banheiro um lugar interessante

Para ajudar a criança com autismo a tomar banho de um jeito que seja prazeroso para ela, o banheiro deve se tornar um lugar em que ela se sinta à vontade. Se a sua criança não se sente confortável no banheiro, tente investigar quais motivos levam a criança a isso. Observe quais estímulos sensoriais podem estar incomodando a criança e tente minimizá-los. Há muitos objetos/luzes/cores/texturas no ambiente? Há algum cheiro ou ruído desagradável? Como a criança lida com a textura da toalha e do tapete? E o odor e a textura dos produtos de limpeza?

Você poderá também usar uma técnica de dessensibilização e levar a criança até mais próximo do banheiro em alguns outros momentos do dia, explicando a importância do banheiro para nos mantermos limpos e saudáveis. Você mesmo poderá ser um modelo social ao longo do dia e explicar que está indo ao banheiro para, por exemplo, escovar os dentes ou tomar banho, e mostrar como isso é bom para a sua saúde e bem estar.

Ou você pode criar histórias sociais com personagens que tomam banho em meio ao conto. Você pode confeccionar páginas avulsas, um livro de histórias ou usar livros que já existem. A história também pode ser dramatizada por você junto a outras pessoas para ajudar a criança a tomar banho. Lembre-se de retirar do banheiro quaisquer utensílios que possam distrair ou trazer riscos à criança. Se a sua criança já apreciar o ambiente do banheiro, veja quais estímulos sensoriais ela mais gosta e valorize esses estímulos durante o banho. A criança pode gostar de tocar a água, o sabonete, a bucha de banho, ver as luzes do banheiro ou brincar com as imagens do espelho. Aproveite isso!

Quando a hora do banho estiver próxima, você pode começar a encher a banheira e adicionar os brinquedos ou objetos favoritos da criança no box do chuveiro ou na banheira. Faça gestos e sons que demonstrem que você está se divertindo no banheiro. Tente tornar o banheiro o lugar mais interessante e divertido da casa nesse momento! Se a criança vier para o banho sozinha, ou até se aproximar ou chuveiro ou da banheira, faça uma festa e a comemore por isso. Se ela estiver brincando com o brinquedo favorito dela antes do banho e demonstrar aceitar a sua participação na atividade, você pode tentar trazer paulatinamente o brinquedo para o banheiro, continuando a brincadeira nesse ambiente e dando início ao banho propriamente dito aos poucos, até como parte da atividade lúdica.

Aproveite interesses e motivações do momento para ajudar uma criança com autismo a tomar banho

Há poucos dias atrás, publicamos um artigo sobre como usar os personagens prediletos da criança em atividades interativas. Essa ideia pode ser útil para você também na hora do banho. Caso a sua criança não esteja brincando com algo que você possa aproveitar e levar até o banho, verifique se há algum personagem, brincadeira, música ou atividade que a sua criança esteja apreciando bastante nos últimos dias. Busque identificar os interesses e motivações recentes de sua criança e tente usá-los para iniciar uma atividade antes do banho. Por exemplo, se a sua criança está gostando de um personagem, comece a encenar o personagem ou a cantar uma música relacionada a ele antes mesmo de começar a levar a criança até o banheiro. Você pode usar objetos, os movimentos de seu corpo ou a sua voz para levar devagarinho para dentro do banheiro esse personagem do momento. Você pode mostrar como o personagem está empolgado com o banho e como ele ficará feliz depois dele.

Crie ou expanda atividades

Uma vez que vocês já estejam no banheiro, busque continuar expandindo a brincadeira e, aos poucos, vá incluindo na atividade as etapas do banho. No caso de nosso exemplo com o personagem, ele pode ajudar a criança a tirar a roupa e a entrar no box ou na banheira, ele pode nadar, mergulhar e interagir com a água, ele pode se esconder ou percorrer o ambiente do banheiro em uma aventura junto com a criança, ajudá-la a usar o xampu e o sabonete e a se secar. Lembre-se de aceitar as colaborações e mudanças que a criança propuser ao longo da brincadeira e a respeitar o seu estado de disponibilidade durante o banho – talvez a criança, em algum momento, queira manipular algum brinquedo ou experienciar aquele momento sozinha.

Utilize apoios visuais, musicais e cinestésicos

Traga para o banheiro uma folha de papel plastificada com as imagens das etapas de higienização do banho para dar previsibilidade de todas as partes do corpo que serão lavadas. Essa previsibilidade da rotina de higienização ajudará a criança a se sentir mais segura e estimulará maior autonomia também. Você também poderá cantar uma melodia conhecida, mas com a letra modificada para narrar as etapas do banho. Um apoio cinestésico para auxiliar a criança a se lembrar das etapas do banho pode ser uma espécie de coreografia que vocês realizam com os passos da higienização enquanto cantam a canção do banho.

Aproximação gradativa ao objetivo

Se a criança tem aversão ou medo de lavar o cabelo pois não gosta da água nos olhos e no nariz, você pode experimentar lavar o cabelo dela utilizando um copo de plástico com água. Leve o copo até a nuca da criança, avise que você molhará a nuca dela e despeje cuidadosamente a água apenas na nuca. Repita o procedimento e, aos poucos, sempre dando previsibilidade do que vai acontecer, despeje a água de pontos cada vez mais altos da cabeça, por trás. A criança tentará inclinar a cabeça para frente para que a água não caia no rosto, mas isso levará mais água ao rosto, então explique desde o ponto da água na nuca, que se ela inclinar a cabeça para trás, a água não escorrerá para o rosto. Avise o que vai acontecer cada vez que você levar o copo com água próximo à cabeça dela, peça para ela inclinar a cabeça um pouquinho para trás, conte até 3 e gentilmente despeje a água por trás da cabeça protegendo o rosto da criança com sua outra mão (ou com a mão dela) para que não escorra nada de água na face. Uma outra estratégia é a criança utilizar óculos de natação enquanto você lava o cabelo dela ou ela mesma lava o cabelo para que a água não escorra em seus olhos. Uma viseira na cabeça da criança também poderia ajudar, pois menos água escorreria nos olhos e no nariz. Notamos que, geralmente, conforme a criança aprende a nadar e a mergulhar, o medo da água no rosto tende a diminuir.

Quanto ao secador, recomendamos uma exposição gradativa à atividade. Procure um secador o mais silencioso possível e utilize primeiro o modo de ventilação fria a uma boa distância da cabeça de sua criança. Quando ela estiver acostumada com isso, calma e confiante na atividade, tente colocar a ventilação na temperatura morna ainda a uma boa distância da cabeça. Aos poucos, aproxime o secador da cabeça dela. No início, pode demorar mais para você completar o banho e a secagem do cabelo, mas com a criança calma e sentindo-se segura, sem ser forçada, ele poderá aos poucos se tornar mais participativa e independente nestas atividades.

Seja calmo e persistente

Em nossa abordagem responsiva, nós buscamos introduzir uma rotina e tornar as atividades cotidianas prazerosas, evitando manipular a criança fisicamente de modo a forçá-la a seguir esta rotina, pois em nossa experiência este tipo de atitude não estimula o tipo de interação social e flexibilidade que nós desejamos promover em nossas relações com elas (para rever os conceitos fundamentais de nossa abordagem responsiva clique aqui). Ao invés disso, nós somos calmos, entusiasmados, persistentes e flexíveis enquanto encorajamos a hora do banho. Apesar de esta abordagem demandar a curto prazo um período de tempo maior para a realização das atividades cotidianas, notamos que, a longo prazo, esta atitude nos ajuda a conseguir muito mais rapidamente a participação espontânea que queremos.

Ou seja, numa primeira tentativa, ao seguir as recomendações acima, o banho da criança pode acabar demorando mais que o esperado, mas você poderá perceber com o tempo que nas próximas vezes o processo poderá ser reduzido, e continuará sendo divertido. Reserve um período no seu dia para o momento do banho e não tenha pressa caso a criança leve algum tempo para engajar-se nele e para concluí-lo nas primeiras tentativas.

Importante: Aprecie esse momento junto com a criança! Apaixone-se pelos interesses e motivações atuais da sua criança e não tenha receio em colocar em prática a sua criatividade e expressividade. Na hora do banho, tente apreciar você também essa atividade. Sabemos que muitas vezes temos um tempo contado durante o dia para o banho, mas tente encontrar algumas oportunidades ao longo da semana em que vocês poderão entrar para o banho com calma e com disponibilidade para apreciar a atividade. Em nossos Cursos de Módulo 1 abordamos outras técnicas que podem ser utilizadas por você em seu dia a dia.

Veja em nosso site a programação dos eventos introdutórios, abertos a pais, familiares e profissionais ligados a pessoas com diagnósticos do autismo. Para ler mais informações sobre outras atividades da vida diária, acesse o nosso site e verifique nossas recomendações sobre alimentação, escovação de dentes e visitas ao dentista.

Compartilhe com a gente as suas dicas e experiências escrevendo um comentário abaixo para o nosso blog! As suas dicas e experiências poderão ser úteis para outros pais, familiares e profissionais. Vamos trocar ideias!

Educação inclusiva para pessoas com autismo - banner 2

Faça parte da conversa. Deixe seu comentário abaixo.

Compartilhe nosso artigo com seus familiares, colegas e amigos clicando nos botões a seguir:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

20 comentários em “Como ajudar uma criança com autismo a tomar banho”

  1. Avatar
    maria celestina chagas de carvalho

    Maravilhoso! Vai ajudar muito o meu netinho. É o maior stress na hora do banho! Muito obrigada!

    1. Avatar
      Inspirados pelo Autismo

      Olá Maria Celestina, bom dia!

      Que bom saber que as nossas dicas vão poder ajudar vocês e o seu netinho na hora do banho!

      Leia também outras dicas para alimentação, escovação de dentes e uso do vaso sanitário, acessando os links abaixo:

      http://www.inspiradospeloautismo.com.br/a-abordagem/atividades-de-vida-diaria-para-pessoas-com-autismo/
      http://www.inspiradospeloautismo.com.br/ajudar-crianca-com-autismo-a-utilizar-o-vaso-sanitario/

      Atenciosamente, Equipe Inspirados pelo Autismo

  2. Avatar
    Rosmari Schluepmann

    Meu neto tem 16 anos e até hoje quando toma banho na minha casa fazemos o ritual de pegar a banheira de plástico, de quando ele era bebê, que fica guardada embaixo de uma cama. Ficamos esperando encher com a água do chuveiro…..Ele adora! Fica super contente, bate palmas. Mas na hora de acabar o banho, ele joga toda água para fora da banheirinha, molha o banheiro todo….

  3. Avatar
    Sandra petrusanis

    Tenho um filho com 16 anos, autista, ele adora o banho, porém com a falta de água, é muito complicado terminar o banho. Como diminuir o tempo dessa atividade? Obrigada.

    1. Avatar
      Inspirados pelo Autismo

      Olá Sandra,

      Agradecemos pelos seus comentários e pelo envio de sua dúvida. Salientamos que as mesmas técnicas que utilizamos para avisarmos que a hora de tomar banho esta se aproximando podem ser utilizadas para também comunicar um adolescente com autismo, antecipadamente, que o banho em breve estará acabando. Você poderá utilizar também recursos visuais para explicar sobre a importância da água e da necessidade de preservar esse recurso.

      Você poderá readaptar então algumas ideias do próprio artigo, que você poderá reler a partir do link a seguir: http://www.inspiradospeloautismo.com.br/como-ajudar-uma-crianca-com-autismo-a-tomar-banho/

      Atenciosamente, Equipe Inspirados pelo Autismo

  4. Avatar
    Silvia Brito

    Gostei muito dessas dicas maravilhosas… Realmente, minha filha tem 28 anos e ela gosta de tomar banho, mas, na hora de tirar a roupa, ela se estressa. É como se eu invadisse a privacidade dela, mas depois ela relaxa. Ela não toma banho sozinha, pois tem serias limitações, inclusive da fala.

  5. Avatar
    Sabrina Gomes

    Olá Sílvia. Boa noite!
    Uma sugestão para o momento de tirar a roupa é fazer a técnica de dessensibilização. Avise sua filha que em “10 minutos” por exemplo, chegará a hora do banho. Explique que será necessário tirar a roupa, para que ela possa usar o sabonete e que sua presença será necessária para ajudá-la. Assim ela terá um tempo maior para se preparar e aceitar sua presença no banheiro. Após o término do banho com sua filha, agradeça por ela ter aceitado sua presença e sua ajuda.

    Ofereça também fotos ou figuras com as etapas do banho (recurso visual), ajudam na organização da sequência do banho e oferece maior previsibilidade do que irá acontecer para sua filha.

    Abraços.

  6. Avatar

    Ha uma semana descobri que minha filha Melissa de 2 anos e meio tem autismo leve,fiquei muito assustada e não sei direito o que fazer para ajuda la,comecei a perceber algo estranho porque ela fazia coisas diferentes dos meus outros filhos Érick com 23 anos e Beatriz com 11anos,ela treme,anda na ponta dos pes,fala um pouco enrolado,o braço dela direito constantemente ela fica com ele dobrado e encostado no corpo,e agora esta fazendo 3 semanas que tirei ela do peito,e com isso ela anda muito nervosa,chora bastante a tarde porque ela nao consegue dormir a tarde mais,e tudo ela se irrita muito,a psiquiatra infantil que a atendeu encaminhou ela para um tratamento e varios exames,mas gostaria que vcs pudessem me orientar como trata la em casa,porque com tudo isso estou ainda mais ansiosa,muito obrigada

    1. Avatar
      Inspirados pelo Autismo

      Olá Patrícia,

      Agradecemos pelo seu depoimento e gostaríamos de lhe recomendar algumas páginas em nosso site que poderiam ser bastante úteis para você poder ajudar a sua filha Melissa.

      A página sobre a nossa abordagem oferece informações sobre como ajudar a sua criança através de um estilo responsivo de interação: http://www.inspiradospeloautismo.com.br/a-abordagem/

      A página de Atividades Interativas contém dicas de como criar divertidas atividades interativas que auxiliam a pessoa com autismo a desenvolver suas habilidades: http://www.inspiradospeloautismo.com.br/a-abordagem/atividades-interativas-para-pessoas-com-autismo/#.UpY1WMRDvmc

      A página Criação do Ambiente Físico Otimizado oferece orientações quanto ao ambiente físico com poucas distrações sensoriais: http://www.inspiradospeloautismo.com.br/a-abordagem/a-criacao-do-ambiente-fisico-otimizado-para-autismo/#.UpY1asRDvmc

      Em Brinquedos para Crianças com Autismo, você tem acesso a informações sobre os brinquedos e materiais que mais utilizamos em nossas sessões responsivas: http://www.inspiradospeloautismo.com.br/a-abordagem/brinquedos-para-criancas-com-autismo/#.UpY1i8RDvmc

      Em Perguntas e Respostas, respondemos a algumas das dúvidas de pais e familiares sobre a criação de programas de desenvolvimento para pessoas com autismo: http://www.inspiradospeloautismo.com.br/a-abordagem/perguntas-e-respostas-sobre-autismo/#.UpY1pcRDvmc

      Para lhe ajudar em relação aos seus sentimentos, recomendamos ainda as páginas a seguir:
      http://www.inspiradospeloautismo.com.br/inspire-se/
      http://www.inspiradospeloautismo.com.br/inspire-se/os-sentimentos/

      Uma recomendação adicional para vocês seria seguir os interesses da Melissa para promover a interação prazerosa com ela e, durante as interações, ajudá-la a desenvolver suas habilidades.

      Abraços, Equipe Inspirados pelo Autismo

  7. Avatar
    Cibele pierangeli ozeas santos

    Por favor, me ajudem. Tenho uma filha de 12 anos com autismo. Trato desde um ano, mas vejo uma melhora tão lenta. Ela ainda não consegue tomar banho e escovar dentes sozinha. Não é alfabetizada. Me deem uma luz para que eu consiga alcançar esses objetivos.

    1. Avatar
      Inspirados pelo Autismo

      Olá Cibele,

      Agradecemos por compartilhar conosco um pouco de sua trajetória com sua filha.

      Recomendamos que você participe de um de nossos cursos de Módulo 1, pois neles compartilhamos estratégias práticas que você poderá utilizar imediatamente para auxiliar o desenvolvimento de sua filha. Temos um Curso de Módulo 1 no Rio de Janeiro, dias 04, 05 e 06 de março, com inscrições abertas: http://www.inspiradospeloautismo.com.br/curso-de-modulo-1-rio-de-janeiro-2016/

      Recomendamos também que você leia o Livro “Dez Coisas que Toda Criança com Autismo Gostaria que Você Soubesse”, disponível para compra em nosso site: http://www.inspiradospeloautismo.com.br/livros/dez-coisas-que-toda-crianca-com-autismo-gostaria-que-voce-soubesse/

      E ainda indicamos a leitura dos seguintes artigos, disponíveis em nosso site:

      Como ajudar uma criança com autismo a ler e escrever
      http://www.inspiradospeloautismo.com.br/como-ajudar-uma-crianca-com-autismo-a-ler-e-escrever/

      Como se inspirar para ajudar crianças, adolescentes e adultos com autismo
      http://www.inspiradospeloautismo.com.br/como-se-inspirar-para-ajudar-criancas-adolescentes-e-adultos-com-autismo/

      Como ajudar pessoas com autismo na interação social
      http://www.inspiradospeloautismo.com.br/como-ajudar-pessoas-com-autismo-na-interacao-social/

      Como os pais podem ajudar suas crianças com autismo
      http://www.inspiradospeloautismo.com.br/como-os-pais-podem-ajudar-suas-criancas-com-autismo/

      Como criar atividades para pessoas com autismo
      http://www.inspiradospeloautismo.com.br/como-criar-atividades-para-pessoas-com-autismo/

      Atenciosamente,
      Equipe Inspirados pelo Autismo

  8. Avatar

    Olá… Meu filho tem 4 anos e desde 1 ano faz terapia, pois tem Asperger!! Eu estou a procura de lugares que oferecem atividades extracurriculares para ele, especializadas no q ele tem!! Vocês podem me ajudar?? Desde já, muito obrigada por tornar nossa realidade mais branda!!

    1. Avatar

      Olá Bruna,

      Recomendamos que você entre em contato com outros pais e profissionais de sua região por meio de nosso perfil oficial no Facebook, pois lá você poderá tentar obter indicações em sua cidade.

      Você conhece o nosso Curso “Autismo, Interação Prazerosa e Aprendizagem” (Módulo 1)? Neste curso, repassamos aos pais diversas estratégias e os ensinamos a criar atividades interativas com o objetivo de desenvolver os talentos e habilidades de suas crianças: http://www.inspiradospeloautismo.com.br/curso-autismo-interacao-prazerosa-e-aprendizagem-modulo-1-sao-paulo-sp-junho2016/

      Em nosso site (caso ainda não tenha lido), temos ainda vários exemplos de atividades interativas que você poderá desenvolver com o seu filho em casa: http://www.inspiradospeloautismo.com.br/a-abordagem/atividades-interativas-para-pessoas-com-autismo/.

      Mais atividades poderão ser encontradas no livro Brincar para Crescer, disponível para venda em nosso site: http://www.inspiradospeloautismo.com.br/produto/brincar-para-crescer-atividades-para-criancas-especiais/

      Atenciosamente, Equipe Inspirados pelo Autismo

  9. Avatar
    Lino roberto fabri tumolo

    Matheus gosta de tomar banho! Nossa dificuldade é quando vai água na cabeça e ela cai para o rosto e ai ele se desespera o que fazer? Outra dificuldade é quando vamos secar seu cabelo com secador ele grita e esbraveja o que fazer? Grato

    1. Inspirados pelo Autismo
      Inspirados pelo Autismo

      Olá Lino, boa tarde! Você pode experimentar lavar o cabelo do Matheus utilizando um copo de plástico com água. Leve o copo até a nuca do Matheus, avise que você molhará a nuca dele e despeje cuidadosamente a água apenas na nuca. Repita o procedimento e, aos poucos, sempre dando previsibilidade ao Matheus do que vai acontecer, despeje a água de pontos cada vez mais altos da cabeça, por trás. Matheus tentará inclinar a cabeça para frente para que a água não caia no rosto, mas isso levará mais água ao rosto, então explique desde o ponto da água na nuca, que se ele inclinar a cabeça para trás, a água não escorrerá para o rosto. Avise o que vai acontecer cada vez que você levar o copo com água próximo à cabeça dele, peça para ele inclinar a cabeça um pouquinho para trás, conte até 3 e gentilmente despeje a água por trás da cabeça protegendo o rosto de Matheus com sua outra mão para que não escorra nada de água na face. Notamos também que geralmente, conforme a criança aprende a nadar e a mergulhar, o medo da água no rosto tende a diminuir. Quanto ao secador, recomendamos uma exposição gradativa à atividade. Procure um secador o mais silencioso possível e utilize primeiro o modo de ventilação frio a uma boa distância da cabeça de seu filho. Quando ele estiver acostumado com isso, calmo e confiante na atividade, tente colocar na temperatura morna ainda a uma boa distância da cabeça. Aos poucos, aproxime o secador da cabeça do Matheus. No início, pode demorar mais para você completar o banho e a secagem do cabelo, mas com Matheus calmo e sentindo-se seguro, sem ser forçado, ele poderá se tornar mais participativo e independente nestas atividades com o tempo.

  10. Avatar

    Olá! Tenho Asperger e desde de que tinha uns 12 anos minha imaginação avançou, e por mais que não brinque mais no banheiro com bonequinhos, etc… gosto muito muito de imaginar, e o banheiro é um ótimo lugar para isso, pois além da água, as pessoas respeitam o tempo em que você tá lá, então esses fatos fazem do meu banho demorado e que às vezes acabe me atrasando ou me atrapalhando. Queria conseguir ter mais foco, concentração e eficiência.

    Ps.: Tenho 24 anos e achei muito bacana a matéria.

    1. Inspirados pelo Autismo
      Inspirados pelo Autismo

      Oi Esther, muito obrigada apor nos contar sobre sua experiência como pessoa com Asperger e os de jogos de imaginação no banho. O ambiente do banho, com a presença da água e com sua privacidade, é um ambiente muito querido por várias de nossas crianças, adolescentes e adultos, com desenvolvimento típico ou no espectro do autismo! Que legal que você gostou da matéria!

  11. Avatar

    Olá! Eu também era assim. É necessário o uso do secador? Pois se não, não usaria, já que é beeem agoniante.

    1. Inspirados pelo Autismo
      Inspirados pelo Autismo

      Esther, realmente não achamos necessário se a pessoa mora em local com clima quente. Em locais mais frios, também acreditamos ser possível não se usar o secador se a pessoa lava o cabelo de manhã e tem tempo para que o cabelo seque naturalmente durante todo o dia, e também se ela vai permanecer em ambientes internos, não tão frios.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *