Dicas para festas de fim de ano para pessoas com autismo - parte 2

30/12/2015

As festas de fim de ano são momentos de integração com familiares e amigos, mudanças na rotina e muitas novidades. Encontramos um artigo muito inspirador da Alicia Burns, mãe do Marco, e gostaríamos de compartilhar um pouco da história deles com vocês.

Alicia conta que nas festas de fim de ano ela e a família costumam viajar por muitos quilômetros, ficar em casas de parentes e entrar em contato com os avós, tios e primos de Marco. Para que seu filho Marco possa sentir-se confortável nesse período, Alicia já vinha aplicando algumas ideias práticas, tais como:

  • incluir o Marco na preparação da viagem, por exemplo, no planejamento da viagem e na preparação das malas;
  • propiciar previsibilidade dos acontecimentos, explicando a Marco quem estará nas festas, para onde eles irão e que tipo de coisas farão;
  • preparar alimentos sem glúten e sem caseína para compartilhar com a família;
  • informar a família sobre as atuais habilidades e desafios do desenvolvimento de Marco, para que todos possam ajudar.

Além disso, Alicia já tinha recebido a recomendação de encontrar um papel específico para Marco durante as festas, para que ele pudesse se integrar à reunião em família de uma forma participativa, para que os familiares o vissem sob um novo ponto de vista, e para que o próprio Marco se sentisse menos ansioso e mais autoconfiante.

Esse papel poderia ser, por exemplo, ajudar os parentes com seus casacos quando eles chegassem ao local da festa (Alicia mora no Hemisfério Norte e lá faz frio durante o fim de ano). Outras possibilidades eram Marco ajudar na colocação da mesa de jantar, ajudar a encher os copos das pessoas com água ou a fazer um brinde durante a ceia.

Acontece que Alicia não estava muito segura sobre essa ideia de dar a Marco um papel específico e pré-determinado durante a festa. Ela tentou colocar essa ideia em prática por muitos anos, sugerindo que Marco assumisse um papel especial durante as festas em família, mas o que ela notava é que a iniciativa acabava gerando o efeito oposto, com Marco sentindo-se mais ansioso e menos conectado com as pessoas presentes.

Foi então que Alicia percebeu que os momentos mágicos em que Marco poderia integrar-se com os avós, tios, primos e primas aconteciam justamente quando ela deixava de lado os planos e técnicas pré-concebidas para integrá-lo. Alicia foi percebendo também com o tempo que de fato as situações em grupo eram verdadeiramente desafiadoras para Marco, e exigiam uma nova abordagem, uma nova forma de oferecer suporte e encorajamento a Marco, sem apegar-se às atividades planejadas. Surgiu então a ideia de usar uma abordagem criada por Julie Sando e que se chama “brincadeira natural”.

Nesse tipo de abordagem, a ideia é “criar espaço” para a participação da criança com autismo, em vez de criar papéis específicos para a criança desempenhar ao longo das festividades. É como se você oferecesse uma oportunidade de participação para a criança numa determinada atividade e estivesse aberto o suficiente para receber genuinamente qualquer tipo de resposta vinda dela.

Família cozinhandoAlicia nos dá alguns exemplos de como isso funcionou na prática nas festas de fim de ano de sua família. Ela conta que a família se reúne normalmente na cozinha para a preparação da comida, e que Marco gosta de ficar por ali (já que há tanta comida gostosa para beliscar). Numa dessas situações, Marco está próximo à cozinha, desenhando em seu computador. Alicia está começando a preparar um purê de batatas, e ela tem dois pratos com batatas cozidas que ela irá colocar no processador.

Alicia observa Marco, e realiza a sua tarefa devagar, com calma. Ela sabe que existem muitas chances de Marco se interessar em participar com ela do processo, pois ele já conhece essa atividade e costuma gostar de ajudar a colocar alimentos no processador. Contudo, Alicia diz que se sentirá bem mesmo se ele não participar, pois ela entende que Marco está numa brincadeira/atividade solitária naquele momento em seu computador, algo que todos nós fazemos em nosso dia a dia (além do mais, ela está feliz por ter o filho por perto, e isso já a satisfaz).

A irmã de Alicia também está na cozinha. Ela está cortando alguns legumes. Seguindo a mesma ideia da brincadeira natural, a irmã de Alicia coloca um outro talher junto de uma segunda tábua de cozinha, caso Marco queira ajudá-la com os legumes. Marco decide juntar-se à tia, não para cortar os legumes, mas para experimentar alguns. A irmã de Alicia decide então fazer o mesmo que Marco e, juntos, eles começam a provar alguns dos legumes já cortados. A irmã de Alicia pega um pouco do molho que ela já havia preparado para os legumes e os dois experimentam um pouco da comida, fazendo uma brincadeira/atividade em paralelo.

Enquanto todos ajudam na cozinha, a prima de Marco, com quem ele costuma ter bastante afinidade, está arrumando alguns biscoitos. Ela abre o primeiro pacote e o despeja numa tigela. Isso chama a atenção dele. A prima então “cria espaço” para Marco na atividade, e deixa disponível um segundo pacote de biscoitos para que ele possa fazer o mesmo que ela, caso deseje. Depois, a prima de Marco começa a colocar os biscoitos num prato, e eles alternam a arrumação dos biscoitos. Para possibilitar a participação de Marco na atividade, sua prima coloca os biscoitos vagarosamente, faz pausas aqui e ali, e age de uma maneira divertida e brincalhona, sempre abrindo espaço para que Marco possa integrar-se espontaneamente na atividade. Marco e sua prima estão no que Julie Sando chama de brincadeira ou atividade associativa. Quando Marco participa o suficiente da arrumação dos biscoitos e deseja parar, ele volta ao seu computador e à sua atividade solitária de desenhar.

A vantagem de “criar espaço” para a criança nas atividades em vez de dar a ela um papel específico durante as festividades é que, quando determinada atividade termina, não se tem aquela sensação de, “E agora, o que eu faço?” Além disso, ao criar o espaço para a criança, ela se sente mais livre para engajar-se na atividade e para deixá-la de lado, de acordo com seu próprio interesse e nível de conforto.

Alicia resume outras características e possíveis benefícios desse tipo de abordagem:

  • a criação de espaço (ou de oportunidade) para sua criança com autismo é um estilo de ação – essa forma de agir pode ser usada em qualquer lugar e a qualquer hora. Ela possibilita que os adultos possam agir de forma espontânea e flexível;
  • é fácil criar um modelo desse tipo de abordagem e compartilhá-lo com os parentes, desde que eles consigam captar “o espírito da coisa”. Os familiares e amigos, mantendo-se calmos e atentos, podem observar as situações, criar pausas e estar abertos a quaisquer respostas que venham da criança;
  • a criação do espaço possibilita que a criança com autismo tome a iniciativa, o que pode ser um grande aprendizado para ela. Com o tempo, a criança pode tornar-se mais confiante ao tomar a iniciativa em situações sociais;
  • a criação do espaço é uma abordagem que reduz a ansiedade de todas as pessoas presentes nas festividades, e propicia um clima com menos pressão e menos expectativas entre os familiares;
  • a criação do espaço permite que a criança aprenda através da observação do ambiente, o que Julie Sando denomina de “brincadeira de espectador“.

Você gostou da história de Alicia e de Marco e acha que ela pode ser útil para a sua criança com autismo nas festas de ano novo que se aproximam? Conte para nós!

Para saber mais sobre como ajudar as crianças com autismo nas festas de fim de ano, leia também o nosso artigo com dicas práticas sobre como lidar com as mudanças na rotina, o barulho e os fogos de artifício.

Para ler o artigo original em inglês sobre a história de Alicia e Marco, acesse a Revista Autism File de dezembro de 2015 e janeiro de 2016.

Participe de um de nossos cursos sobre como promover o bem-estar e o desenvolvimento de pessoas com autismo.

Educação inclusiva para pessoas com autismo - banner 2

Compartilhe com um amigo ou colega nas mídias sociais a seguir:

Postagens Relacionadas

Como ajudar pessoas com autismo a lidar com o barulho de fogos de artifício
2 fevereiro, 2018

A equipe da Inspirados pelo Autismo recebeu a seguinte pergunta, ‘Meu filho de 4 anos entra em crise com fogos de artifício. O que posso fazer nesse momento e como posso ajudá-lo a longo prazo?’ Assista ao vídeo com a resposta da psicóloga e consultora da Inspirados pelo Autismo, Giovanna […]

Leia mais
Autismo e planos de saúde
21 janeiro, 2018

Um interessante artigo publicado pelo escritório Vilhena Silva Advogados em seu blog, com autoria da advogada Silmara Alves Pinto dos Santos, traz luz à questão da cobertura dos planos de saúde para o tratamento do autismo. A autora relata que estudos demonstram que a eficácia do tratamento de uma pessoa […]

Leia mais
Técnicas teatrais para o desenvolvimento de pessoas com autismo
19 maio, 2017

O laboratório de Psicologia da Universidade de Indiana, nos EUA, está conduzindo estudos envolvendo a utilização de técnicas teatrais de improvisação para o desenvolvimento de pessoas com autismo. O laboratório quer verificar como estas ferramentas podem ser utilizadas para ajudar pessoas com autismo a compreender e a expressar emoções. Segundo a equipe, interpretar a linguagem corporal […]

Leia mais
Deixe um comentário
Sessão de cinema para crianças com autismo empolga pais no Rio de JaneiroDicas para festas de fim de ano para pessoas com autismo – parte 1
Todos os comentários ( 4 )
  • Avatar
    Wilma
    30/12/2015 em 11:59 pm

    Gostei muito dos artigos, tenho um neto autista de 4 anos. Onde consigo o livro "O que me faz pular". Moro em Fpólis, SC. Agradeço […] Leia maisGostei muito dos artigos, tenho um neto autista de 4 anos. Onde consigo o livro "O que me faz pular". Moro em Fpólis, SC. Agradeço sua atenção. Boas Festas! Leia Menos

    Resposta
    • Avatar
      Inspirados pelo Autismo
      @Wilma
      05/01/2016 em 1:05 pm

      Olá Wilma,Feliz Ano Novo! Esperamos que você tenha tido um ótimo período de festas.Sobre o livro que você menciona, ele não é comercializado pela Inspirados […] Leia maisOlá Wilma,Feliz Ano Novo! Esperamos que você tenha tido um ótimo período de festas.Sobre o livro que você menciona, ele não é comercializado pela Inspirados pelo Autismo, mas parece estar disponível em grande parte das lojas virtuais. Enviamos a seguir os livros vendidos pela Inspirados pelo Autismo e que poderiam ser úteis para lhes auxiliar com o seu neto:- “Dez Coisas que Toda Criança com Autismo Gostaria que Você Soubesse”, 183 páginas. Escrito por Ellen Notbohm, o livro descreve dez características que ajudam a entender as crianças com autismo. - "Brincar para Crescer", 206 páginas. Escrito por Tali Berman e Abby Rappaport, o livro contém 201 Atividades projetadas para ajudar crianças com necessidades especiais a desenvolver habilidades sociais fundamentais. http://www.inspiradospeloautismo.com.br/loja-virtual/#livrosAtenciosamente, Equipe Inspirados pelo Autismo Leia Menos

      Resposta
  • Avatar

    […] Veja mais dicas sobre as festas do final de ano para pessoas com autismo. […]

    Resposta
  • Avatar
    ivonete Rosa
    12/12/2017 em 6:43 pm

    olá boa tarde! Amei as estratégias, compartilhada em família, penso que são atividades como essa que auxilia a oportunidade de desenvolvimento e interação social à criança, […] Leia maisolá boa tarde! Amei as estratégias, compartilhada em família, penso que são atividades como essa que auxilia a oportunidade de desenvolvimento e interação social à criança, ao jovem Autista. Maravilhosa ideia! Leia Menos

    Resposta

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Informativo da Inspirados pelo Autismo

E-mail (obrigatório):

Nome:

Sobrenome:


FamiliarProfissional/ estudante da área de saúdeProfissional/ estudante da área de educaçãoOutro

Próximos cursos da Inspirados pelo Autismo:
Curso dinâmico e prático

“Finalmente encontrei um curso sobre autismo que atendeu minhas expectativas. Foi ministrado numa linguagem acessível, de forma dinâmica e prática, no qual assimilei um aprendizado que já me habilitou a lidar com o autismo.”

Ilza Correia, pedagoga
Curso sobre autismo.
Informações claras

“Informativo, interativo, responsivo e dinâmico. Curso muito organizado, bem estruturado, com informações claras e demonstrações muito sensibilizantes. Aporte teórico demonstrado na prática a todo o momento, facilitando o entendimento.”

Daniele Gomes, coordenadora pedagógica
Curso sobre autismo.
Inovador, prático e inspirador
“Inovador, prático, inspirador, conteúdo bem completo, considerando a amplitude das características do autismo.”
Yvina Baldo, professora e mãe
Curso sobre autismo.
Compreender o mundo do autismo
“Inspirador, me fez compreender o mundo do autismo (do meu filho) melhor, me deu força, esperança e me tirou do papel de expectadora, me abriu portas para um mundo diferente, me fez ter outros olhos e me deu o poder de fazer a diferença na vida do meu filho. Fiquei muito feliz de ter participado do curso e indico para todos os profissionais e familiares de pessoas com autismo.”
Danielle Speranza, mãe
Curso sobre autismo.
Aprender através de atividades prazerosas
“Como uma grande oportunidade de aprender, conhecer e desenvolver nossa sensibilidade de forma com que possamos auxiliar nossas crianças ou adultos com autismo a encontrar prazer em interagir socialmente, em brincar, aprender através de atividades lúdicas, interativas e prazerosas para ambas as partes. Vale a pena! É incrível!”
Fabrícia Corrêa Elias, professora
Curso sobre autismo.
Uma experiência fantástica
“Uma experiência fantástica, rica em conhecimento, informação. Superou minhas expectativas, realmente muito bom e proveitoso.”
Ellen Rolim, fonoaudióloga
Muito esclarecedor e motivador
“Fantástico, muito esclarecedor e motivador. Você sai do curso com vontade de chegar em casa e aplicar tudo que aprendeu.”
Lucia Sangiacomo, mãe