O show das charadas (sessão a 3)

Interesses:

Criança com autismo e atividade para desenvolver habilidades sociaisPersonagens favoritos da criança, responder a perguntas, demonstrar seu conhecimento (ser o perito), programas de perguntas da televisão.

Metas principais:

Desenvolver interesse em informações pessoais.
Flexibilidade.

Ação motivadora (o papel do adulto):

Ser um apresentador de programa de televisão que sorteia e lê o cartão com as dicas de cada charada para os 2 participantes.

Modelo social (o papel do adulto assistente ou da 2a criança):

Ser um dos participantes do jogo e, com animação, atender às instruções do adulto coordenador ouvindo as perguntas e tentando adivinhar a charada em sua vez, agindo como o modelo para a sua criança.

Solicitação (o papel da criança):

Ouvir as perguntas e tentar adivinhar a charada, seguir as regras do jogo, alternar a vez.

Preparação da atividade:

Confeccione uma série de cartões. Cada cartão contém 10 dicas referentes a uma pessoa ou um personagem a ser adivinhado. As pessoas podem ser personalidades do mundo, familiares, amigos ou personagens de filmes, animações, livros ou gibis. Utilize acessórios divertidos para se caracterizar como um apresentador de televisão com forte personalidade. Chapéus, óculos gigantes, gravatas, bigodes postiços e roupas coloridas podem tornar seu personagem mais atraente.

Estrutura da atividade:

Explique que você será o apresentador de um programa de TV e que cada participante terá a sua vez para ouvir até 10 dicas e tentar adivinhar quem é a pessoa da charada. Enquanto um participante tiver a sua vez para participar, o outro apenas observará e aguardará a vez. De forma animada, faça suspense para criar antecipação diante de cada cartão a ser sorteado e cada dica lida por você. Utilize grandes movimentos corporais e um sotaque diferente. Quando o participante da vez tentar adivinhar e errar, você o celebrará pela tentativa e o estimulará a tentar de novo fornecendo mais dicas. Não há um limite de tentativas, se o participante já ouviu as 10 dicas e já fez várias tentativas para adivinhar em sua vez mas não descobriu a charada, ajude oferecendo pistas mais claras. A ideia é ajudar cada participante a sentir-se curioso e a adivinhar! O esforço de todas as tentativas e de todas as descobertas serão celebrados, tanto na vez de um participante como de outro. Estimule o participante que está aguardando a vez a também celebrar o amigo em suas tentativas e descobertas. Cada vez que o participante descobrir a charada, além da celebração conjunta, os participantes podem imitar aquele personagem ou aquela pessoa em uma pequena encenação. O participante também pode ganhar o cartão contendo as dicas e a figura representativa (foto ou desenho) do personagem ou da pessoa em questão.

Variações:

As charadas podem ser sorteadas simplesmente de uma pilha de cartões ou de um saco plástico. Você também pode inserir cada cartão dentro de um envelope, colar os envelopes em um mural ou diretamente na parede, e convidar o participante da vez a arremessar uma bola em qualquer um dos envelopes para, dessa forma, sortear o cartão que trará sua charada.

As charadas podem ser usadas como tarefas dentro da estrutura de um jogo de tabuleiro. Cada vez que os participantes descobrem a charada eles movem sua pecinha no caminho do jogo.

Esta atividade também pode ter a estrutura do jogo de tabuleiro Perfil. Quanto menos dicas a pessoa precisar para adivinhar, maior será a quantidade de casas que ela andará no tabuleiro.

Observações:

A atividade pode ser divertida sem precisar do componente da competição. O suspense, as celebrações, a curiosidade para adivinhar, o prazer de tentar e o prazer de jogar junto podem ser muito divertidos sem que um precise ganhar e o outro perder, ou que um fique em primeiro lugar e o outro em segundo.

Muitas de nossas crianças, adolescentes ou adultos com diagnósticos do espectro do autismo e síndrome de Asperger tendem a se interessar por informações factuais, em detrimento de informações pessoais. Por exemplo, focam em informações sobre as bandeiras de cada nação, informações sobre geografia de cada país, fazem listas com nomes de lugares e objetos, etc. Se nesta atividade a sua meta é ajudar a criança, o adolescente ou o adulto a interessar-se por outras pessoas e aprender a observar os gostos e características pessoais de cada um, invista em perguntas que estimulem este foco. Por exemplo, no cartão sobre a “Mamãe”, escreva dicas como: “Ela gosta de comer sorvete de goiaba”; “A cor favorita desta pessoa é o azul”; “Ela adora as músicas da Marisa Monte”; “Ela gosta de jogar vôlei”; etc. Alterne charadas sobre familiares, amigos e conhecidos com charadas sobre os personagens favoritos da criança.

Clique aqui para voltar à página de atividades interativas para pessoas com autismo.