Bolhas de sabão com o Bob Esponja

 

Atividade interativa para criança com autismoTemos recebido depoimentos fantásticos de pessoas que conseguiram utilizar a nossa abordagem apenas com as informações que temos em nosso site. Muitas dessas pessoas alcançaram pequenas vitórias ou até progressos significativos utilizando as seções de nosso site, o que nos deixa muito felizes!

Além de compartilhar essas experiências com você, queremos lhe ajudar a usar a sua criatividade e imaginação para criar novas atividades para a sua criança, adolescente ou adulto no espectro do autismo. Para isso, vamos usar algumas atividades que já estão no nosso site como exemplos, e lhe mostrar como aplicá-las à uma situação diferente. Nosso objetivo é que você possa expandir as ideias que oferecemos no site e adaptá-las às metais atuais do programa da pessoa com diagnóstico do autismo, assim como criar brincadeiras sintonizadas com os interesses e motivações de sua criança, adolescente ou adulto no momento.

Vamos lá!

No exemplo abaixo, nós vamos usar ideias de duas das atividades sugeridas na seção de atividades interativas de nosso site:

Cócegas do personagem favorito
Sapo comedor de bolhas

Da atividade do Sapo comedor de bolhas, vamos tirar a ideia de fazer bolhas de sabão para a criança. Assim como na atividade Cócegas do personagem favorito, nós também vamos aproveitar que a nossa criança adora o Bob Esponja para utilizar o seu personagem favorito na atividade. O adulto então se vestirá de Bob Esponja e soprará bolhas de sabão para a criança. O Bob Esponja e a ação de fazer bolhas serão a Ação Motivadora da nossa nova brincadeira. Vamos usar essas ideias para trabalharmos metas diferentes e vamos aproveitar também outras motivações da nossa criança.

Veja só:

Interesses:

Bolhas de sabão, suspense, brincadeira de montar figuras, o personagem favorito de sua criança (por exemplo, o Bob Esponja do desenho animado).

Metas principais:

Uso da imaginação.
Participação física da criança na brincadeira.
Aprendizado da sequência de preparação para a ida à escola (atividade de vida diária).
Motricidade fina.

Ação motivadora (o papel do adulto):

O adulto veste uma máscara, age e fala como o Bob Esponja – personagem do desenho favorito da criança – enquanto brinca de fazer bolhas de sabão com a criança.

Solicitação (o papel da criança):

A criança poderá ajudar o adulto a preparar o menino desenhado em um cartaz para ir para a aula, prendendo figuras no cartaz. Ao fazer isso, o adulto faz bolhas de sabão para ela.

Estrutura da atividade:

O adulto fantasiado informa que ele agora é o Bob Esponja, imita a voz e os trejeitos do personagem e, com animação, anuncia que vai fazer bolhas de sabão para a criança.

Se a criança demonstrar interesse, o adulto começa a fazer bolhas de sabão para ela sem pedir nada em troca, apenas faz as bolhas de sabão. O adulto estabelece uma atividade cíclica em que ele faz bolhas de sabão por alguns momentos, afasta-se fazendo suspense e, de forma previsível volta a fazer bolhas de sabão novamente, repetindo diversos ciclos sem pedir nada à criança, apenas fazendo a ação motivadora e pausando por alguns segundos, fazendo a ação novamente, pausando, e assim por diante.

O adulto explica que o Bob Esponja saiu do banheiro onde um menino tomava banho e que ele agora vai ajudar o menino a se vestir para ir à escola. O adulto então mostra à criança um grande cartaz plastificado com um desenho do menino, tendo a imagem da escola ao fundo. O adulto mostra à criança também várias figuras que eles podem afixar (com velcro ou fita adesiva) sobre o desenho do menino no cartaz. O adulto prende uma figura ilustrando uma peça de roupa no desenho do corpo do menino. Após afixar a figura, o adulto imediatamente volta a soprar bolhas. Na próxima pausa da ação de soprar bolhas, o adulto prende mais uma figura no desenho do menino e então volta a soprar bolhas de forma divertida e expressiva, mostrando que, ao ajudar o menino a se vestir, o Bob Esponja fica muito feliz e tem vontade de fazer muitas bolhas.

Quando a criança encontra-se altamente motivada pela ação do adulto de fazer as bolhas como o Bob Esponja, demonstrando este interesse através de olhares, sorrisos, gestos, sons ou palavras, o adulto passa a solicitar durante a pausa da ação que a criança o ajude a preparar o menino para a escola, prendendo figuras no cartaz. A solicitação é um convite animado, e não uma ordem. O adulto estimula a criança a pegar uma das figuras – da camisa, calça, cueca, meia ou sapato do menino – que estão no chão e ajudá-lo a prendê-la no cartaz. O adulto responde a qualquer tentativa de ajuda da criança com uma comemoração e com a volta da ação desejada por ela. Desta forma, o adulto mostra para a criança a importância de ela lhe entregar as figuras, além de ensinar, empregando estímulos visuais, quais são os passos da preparação de um menino que vai para a escola.

Há ainda oportunidade de a criança e o adulto imaginarem diferentes situações, como o dia em que o menino vai à escola e está chovendo, ou o dia em que faz muito calor, o dia que tem festa na escola, o dia que tem jogos na escola, etc. Nos próximos ciclos da brincadeira, o adulto e a criança podem preparar a lancheira do menino para a escola com seus alimentos preferidos, os materiais do menino para a escola, escolher o meio de transporte do menino para ir à escola, e assim por diante.

Materiais sugeridos:

Durante a brincadeira podem ser utilizadas as vestimentas do Bob Esponja, o soprador de bolhas, o cartaz com o menino e a escola ao fundo, fita adesiva ou velcro e as inúmeras figuras com peças de roupa, brinquedos, materiais, alimentos, meios de transporte e quaisquer outros elementos que possam ser associados à escola. Você pode aproveitar imagens de revistas ou da internet para fazer os cartões com as figuras.

Variações:

Podemos ajustar o grau do desafio desta atividade, escondendo algumas figuras pelo quarto e pedindo que a criança nos ajude a encontrá-las, para depois prendê-las no cartaz. Podemos também separar as figuras em categorias, colocando em cada canto do quarto um envelope com as figuras divididas por categorias (por exemplo, roupas, alimentos, brinquedos, meios de transporte para chegar à escola). Quando a criança já conhece o passo a passo de preparação da escola, podemos solicitar que ela nos diga a ordem de colocação das figuras no cartaz, por exemplo: primeiro afixamos a figura da cuequinha, para depois afixarmos a figura da calça. Colocamos a meia para depois colocarmos o sapato, etc. O adulto pode ainda incrementar as situações simbólicas, dizendo: “Hoje está muito frio, será que o menino vai precisar vestir mais roupas?”, e esperar que a criança lhe ajude a escolher e a afixar a figura com o casaco.

Para ajudar a criança a manter-se motivada durante a interação e prolongar o tempo de duração da atividade, podemos inserir em alguns ciclos pequenas variações na ação motivadora, por exemplo, oferecer diferentes sons e ações junto do sopro das bolhas. O adulto pode cantar músicas ou falar trechos do desenho animado do Bob Esponja, ou ainda fazer ações engraçadas enquanto sopra a bolha. O adulto pode também incorporar outros personagens do desenho que soprarão as bolhas, tirando a máscara do Bob Esponja e colocando a de outro personagem.

Caso a criança não se interesse pelo personagem Bob Esponja, podemos manter a atividade original e modificar o personagem de acordo com os interesses dela, por exemplo, transformando-nos em outros personagens do mesmo desenho ou até em seus bichos favoritos que vão lhe ajudar a arrumar o menino para a escola. Se a criança gosta de dinossauros, os dinossauros podem soprar bolhas fazendo muito barulho ou movendo com dificuldade seus grandes braços e pernas. Se a criança gosta de um super-herói, esse herói é que vai ajudá-la a vestir o menino e então soprar muitas bolhas com seu fôlego imenso.

Se a criança se interessa pelas bolhas e pelo Bob Esponja, mas desejamos trabalhar uma meta diferente, como a comunicação verbal, podemos manter a brincadeira das bolhas do Bob Esponja, mas modificar o papel da criança na atividade. Ao invés de solicitarmos que ela nos entregue as figuras para prendê-las no cartaz, podemos solicitar que ela fale uma palavra ou sentença para pedir por nossa ação, ou seja, para que voltemos a fazer as bolhas para ela, ou para que prendamos uma figura no desenho da criança. Caso a criança já tenha um vocabulário expressivo de cerca de 50 palavras, o adulto pode pedir que a criança nomeie cada figura e, caso a criança já esteja em um estágio mais avançado da comunicação, o adulto pode solicitar sentenças mais completas. Nesses casos de estágios mais avançados do desenvolvimento, o adulto pode criar situações imaginárias sobre o menino que se prepara para ir à escola e pedir que a criança lhe ajude opinando com soluções para os problemas enfrentados pelo menino.

Se nossa criança não se interessa por bolhas naquele momento, podemos manter a mesma estrutura da brincadeira das bolhas e oferecer uma ação motivadora diferente, como por exemplo, o Bob Esponja fazer cócegas, massagem/carinho na criança, ou o Bob Esponja cair porque escorregou em uma banana, enquanto ia pegar a figura para afixar no cartaz.

Se a criança não gosta ou tem medo de máscaras, não utilizamos a máscara do Bob Esponja nesta atividade. Você poderá apenas vestir-se como o personagem, ou ainda apenas imitar sua voz e atitude.

Clique aqui para voltar à página de atividades interativas para pessoas com autismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *