Nova pesquisa sobre padrões de pensamento no espectro do autismo

19/01/2015

O rastreamento dos pensamentos associados às interações sociais através de ressonância magnética pode ajudar a revelar padrões cerebrais relacionados ao autismo, de acordo com uma reportagem veiculada no site de uma revista americana.

Até os dias de hoje, o diagnóstico do autismo vem sendo conduzido a partir de exames clínicos que envolvem a realização de entrevistas e observações comportamentais. O processo de diagnóstico pode envolver a realização de algumas consultas com a criança e a sua família. Nestas consultas, a criança é observada pelo profissional de saúde em situações da sua vida cotidiana e em situações específicas em que são examinadas as suas habilidades sociais e de comunicação, por exemplo, além de serem observados a existência ou não de comportamentos ritualísticos ou repetitivos e de outros indicativos do transtorno como diferentes respostas aos estímulos sensoriais.

A Revista Time publicou um artigo sobre uma pesquisa que mostra que exames com ressonância magnética, feitos nos cérebros de pessoas enquanto elas refletem sobre determinados assuntos, trazem indicativos que poderão vir a auxiliar no diagnóstico futuro do autismo. Marcel Just – autor do estudo, professor de Psicologia e diretor de um centro de pesquisas na Universidade Carnegie Mellon – junto de seus colegas, realizou uma série de exames de ressonância magnética funcional em 17 adultos jovens com autismo de alto funcionamento e em 17 pessoas sem autismo, enquanto estas pessoas pensavam sobre diferentes interações sociais, tais como o “abraçar”, “humilhar”, “chutar” e “adorar”. A equipe utilizou técnicas para mensurar a ativação de pequenos pontos do cérebro e analisou se os níveis de ativação formavam um padrão. O padrão constatado, segundo Marcel, é bastante semelhante entre as pessoas de desenvolvimento típico: “Quando você pensa sobre uma casa, uma cadeira ou uma banana, enquanto você está passando pela ressonância magnética, eu posso dizer no que você está pensando”.

A diferença nos padrões entre os dois grupos foi tão significativa que os pesquisadores conseguiram então identificar com 97% de precisão – em 33 dos 34 participantes do estudo – se um cérebro era de uma pessoa com autismo ou de uma pessoa neurotípica. Houve uma área do cérebro associada com a representação do ‘eu’ que não foi ativada nas pessoas com autismo, afirma Marcel. Segundo o autor, ao refletirem sobre abraçar, adorar, persuadir ou odiar, enquanto seus cérebros eram escaneados pela ressonância magnética, as pessoas com autismo pareciam pensar nisso como alguém que estivesse assistindo a uma peça de teatro ou lendo uma definição de dicionário. Estas pessoas não pensavam nessas ações como algo que se aplicaria a elas, indicando que no autismo a representação do ‘eu’ é alterada, fato que os pesquisadores vêm notando já há alguns anos. Para o autor do estudo, esta foi, contudo, a primeira vez que alguém usou essa premissa para tentar diagnosticar autismo a partir da observação da ativação de áreas do cérebro durante a realização de ressonâncias magnéticas.

A pesquisa sugere então que pode haver uma nova maneira de diagnosticar e compreender certos transtornos, como o autismo. Sabendo que tipos de pensamentos são tipicamente alterados em um determinado transtorno, seria possível pedir a uma pessoa que pensasse sobre eles e verificasse se seus pensamentos são de fato alterados em relação aos padrões observados nas pessoas neurotípicas, afirma Marcel. O estudo pode significar mais um avanço em direção a um diagnóstico mais rápido e mais preciso de transtornos como o autismo, e maior conhecimento sobre a forma de pensar utilizada por pessoas com autismo.

Você poderá ler mais sobre o autismo em nosso site e, para aprofundar seus conhecimentos no assunto, recomendamos ainda os livros Brincar para Crescer e Dez Coisas que Toda Criança com Autismo Gostaria que Você Soubesse.

Divulgue esse artigo sobre padrões de pensamento no espectro do autismo em suas redes sociais e compartilhe conosco os seus comentários!

 

 

Compartilhe com um amigo ou colega nas mídias sociais a seguir:

Postagens Relacionadas

Pesquisa comprova que participação dos pais é essencial para a linguagem de crianças com autismo
19 fevereiro, 2018

Os pais podem ajudar a criança com autismo a se comunicar mais A ideia de levar o seu filho ao consultório do fonoaudiólogo ou ao profissional especializado na promoção das habilidades de comunicação de pessoas com autismo e esperar do lado de fora, sem saber o que se passa na […]

Leia mais
Como ajudar pessoas com autismo a lidar com o barulho de fogos de artifício
2 fevereiro, 2018

A equipe da Inspirados pelo Autismo recebeu a seguinte pergunta, ‘Meu filho de 4 anos entra em crise com fogos de artifício. O que posso fazer nesse momento e como posso ajudá-lo a longo prazo?’ Assista ao vídeo com a resposta da psicóloga e consultora da Inspirados pelo Autismo, Giovanna […]

Leia mais
Autismo e planos de saúde
21 janeiro, 2018

Um interessante artigo publicado pelo escritório Vilhena Silva Advogados em seu blog, com autoria da advogada Silmara Alves Pinto dos Santos, traz luz à questão da cobertura dos planos de saúde para o tratamento do autismo. A autora relata que estudos demonstram que a eficácia do tratamento de uma pessoa […]

Leia mais
Deixe um comentário
Revista americana Time publica estudo sobre o diagnóstico do autismoComo ajudar crianças com autismo a aprender quantidades – fazendo compras no supermercado
Todos os comentários ( 13 )
  • Avatar
    Osmira Viana do Carmo
    19/01/2015 em 5:33 pm

    Eu fico feliz em saber que profissionais estão conseguindo avanços para que crianças com autismo possam ser diagnosticadas o mais cedo possível. Tenho um filho […] Leia maisEu fico feliz em saber que profissionais estão conseguindo avanços para que crianças com autismo possam ser diagnosticadas o mais cedo possível. Tenho um filho autista com 34 anos que não fala. Leia Menos

    Resposta
  • Avatar
    Rosângela Gomes Maia
    20/01/2015 em 9:18 am

    Esta matéria é importantíssima para mim! Agradeço pelas informações.

    Resposta
  • Avatar
    Lourdes Martins
    21/01/2015 em 8:36 pm

    Agradeço pela informação. Tenho um filho com 22 anos que não fala e gosta de brincar com água, fogo (fumaça), poeira e vento...É […] Leia maisAgradeço pela informação. Tenho um filho com 22 anos que não fala e gosta de brincar com água, fogo (fumaça), poeira e vento...É agressivo e toma remédio controlado. Sempre procuro ler sobre as pesquisas e descobertas e espero ver desvendados os "mistérios" que os envolvem. Leia Menos

    Resposta
  • Avatar
    Claudineide Reis
    21/01/2015 em 9:59 pm

    Parabenizo os profissionais que se dedicam de corpo e alma à investigação dos Transtornos do Espectro Autista. Espero, num futuro bem próximo, poder ver que […] Leia maisParabenizo os profissionais que se dedicam de corpo e alma à investigação dos Transtornos do Espectro Autista. Espero, num futuro bem próximo, poder ver que as distâncias criadas com as diferenças sejam menos importantes que as interações das relações humanas, de todos e com todos os humanos. Leia Menos

    Resposta
  • Avatar
    Deise Modolo
    22/01/2015 em 9:01 am

    Agradeço as informações, tenho um filho no espectro autista, toda e qualquer informação contribui muito para o nosso dia a dia. Nós, pais, temos uma […] Leia maisAgradeço as informações, tenho um filho no espectro autista, toda e qualquer informação contribui muito para o nosso dia a dia. Nós, pais, temos uma vida muito sacrificada em prol dos nossos filhos que precisam de muita atenção diferenciada, pois o comportamento é muito diferente. Precisamos agir de imediato, quando a criança torna-se repetitiva, agressiva, diferente. Eles não sabem da dimensão da causa e efeito nas outras pessoas, por isso também sofrem com a discriminação, com a intolerância. Vamos nos unir e disseminar informações sobre a síndrome, para que eles possam ser mais bem compreendidos pela sociedade. Em nosso meio, existem autistas que são rotulados como anti-sociais, mal educados, chatos, com pais que não sabem impor limites, enquanto, que, na verdade, fazemos quase o impossível para os colocarmos na sociedade e sofrerem menos. Vamos nos ajudar para que as escolas treinem seus professores com alguma ajuda do governo, para darem condições de receberem mais informações em como lidar com uma criança diferente, mas que tem um coração, uma força e inteligencia muito maior que a nossa. Contem comigo, sou mãe de uma criança de 12 anos. Deise Leia Menos

    Resposta
  • Avatar
    Terezinha
    22/01/2015 em 9:17 am

    Amei a matéria. A neuro do meu filho pediu a ressonância, mas na época não fizemos porque teria que ser induzido e o remédio faz […] Leia maisAmei a matéria. A neuro do meu filho pediu a ressonância, mas na época não fizemos porque teria que ser induzido e o remédio faz efeito contrário..... Leia Menos

    Resposta
  • Avatar
    Rosane
    25/01/2015 em 4:46 pm

    E ótimo saber que continuam incansavelmente tentando achar um meio de nos explicar o por que do Autismo... Tenho uma filha diagnosticada autista com 10 […] Leia maisE ótimo saber que continuam incansavelmente tentando achar um meio de nos explicar o por que do Autismo... Tenho uma filha diagnosticada autista com 10 anos, ela não fala, mas ate hoje ainda não sei o que houve, ou o porque dela ser autista, e isso me deixa muito angustiada, porque gostaria de ter uma explicação; sofro porque a sociedade no geral ainda não aceita pessoas que tem dificuldades de relacionamento e de comportamento e acabam sempre deixando ela de lado e se defendem o tempo todo isso me machuca principalmente que quase sempre isso acontece dentro da própria família é muito triste; penso apenas no que vai ser quando eu não estiver mais aqui para protege-la esse mundo e muito cruel. Leia Menos

    Resposta
  • Avatar
    hilda
    27/01/2015 em 4:35 pm

    Que bom saber. Meu filho tem 12 anos, quantas vezes corri atrás de diagnóstico...Quando ele era menor, não tinha um diagnóstico preciso.

    Resposta
  • Avatar
    Renata
    29/01/2015 em 4:08 pm

    Olá, sou psicóloga e psicanalista e trabalho há alguns anos com casos de autismo utilizando como técnica a arte terapia. Venho acompanhando a evolução das […] Leia maisOlá, sou psicóloga e psicanalista e trabalho há alguns anos com casos de autismo utilizando como técnica a arte terapia. Venho acompanhando a evolução das pesquisas e vejo que estamos em um momento de grandes saltos na compreensão do autismo em diversas linhas de trabalho. Pesquisas abrem caminho para uma intervenção apropriada para o quadro de autismo. O que posso acrescentar nesta tarefa junto ao autismo é que não podemos esquecer da singularidade de cada caso, o diagnóstico é de grande importância, mas saber como atuar nas particularidades de cada pessoa autista é fundamental para seu desenvolvimento. Um abraço. Leia Menos

    Resposta
    • Avatar
      Ana Lúcia
      @Renata
      15/02/2015 em 5:48 pm

      Olá Renata! Sou professora apoio nas escolas da rede municipal e estadual. Vc disse que utiliza da Arte terapia no atendimento de autistas. Seu método […] Leia maisOlá Renata! Sou professora apoio nas escolas da rede municipal e estadual. Vc disse que utiliza da Arte terapia no atendimento de autistas. Seu método poderia me ajudar em sala de aula com o autista? Vc tem algum material que possa me ajudar? Abraços. Leia Menos

      Resposta
    • Avatar
      Inspirados pelo Autismo
      @Renata
      22/05/2015 em 4:08 pm

      Olá Renata,Agradecemos pelos seus comentários. Em nossa abordagem lúdica e motivacional, utilizamos os interesses e motivações das pessoas com autismo para criar sessões divertidas com […] Leia maisOlá Renata,Agradecemos pelos seus comentários. Em nossa abordagem lúdica e motivacional, utilizamos os interesses e motivações das pessoas com autismo para criar sessões divertidas com elas, além de propiciar um aprendizado prazeroso. Saiba mais sobre a nossa abordagem acessando: http://www.inspiradospeloautismo.com.br/a-abordagem/Atenciosamente, Equipe Inspirados pelo Autismo Leia Menos

      Resposta
  • Avatar
    Anesia Santos
    14/02/2015 em 3:36 pm

    Muito boa essa informaçâo.Tenho um filho com Autismo que so foi diagnosticado aos 21 anos de idade.Desde o seu nascimento notei algo diferente em seu […] Leia maisMuito boa essa informaçâo.Tenho um filho com Autismo que so foi diagnosticado aos 21 anos de idade.Desde o seu nascimento notei algo diferente em seu comportamento busquei ajuda com psicologos,neurologista e nunca tive um diagnostico.Sempre foi rotulado como mal educado,anti-social,egoista sofreu muito no periodo escolar com os colegas.Hoje esta na faculdade e tambem nao e diferente.Hoje aos 21 anos nao consegue trabalhar pois ninguem quer dar oportunidade a pessoa com Autismo(leve)mesmo com a lei das cotas.E um sofrimento para ele e para mim. Leia Menos

    Resposta
    • Avatar
      Inspirados pelo Autismo
      @Anesia Santos
      22/05/2015 em 4:05 pm

      Olá Anesia,Agradecemos por compartilhar conosco a sua trajetória com o seu filho. Parabéns pela dedicação e pelo trabalho de vocês em prol do desenvolvimento dele!Recomendamos […] Leia maisOlá Anesia,Agradecemos por compartilhar conosco a sua trajetória com o seu filho. Parabéns pela dedicação e pelo trabalho de vocês em prol do desenvolvimento dele!Recomendamos que você leia (caso ainda não tenha lido) o Livro Dez Coisas que Toda Criança com Autismo Gostaria que Você Soubesse. Esse livro poderá ser repassado também aos familiares, amigos, vizinhos e demais pessoas da convivência de vocês, facilitando na compreensão sobre o autismo.http://www.inspiradospeloautismo.com.br/livros/dez-coisas-que-toda-crianca-com-autismo-gostaria-que-voce-soubesse/Atenciosamente, Equipe Inspirados pelo Autismo Leia Menos

      Resposta

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Informativo da Inspirados pelo Autismo

E-mail (obrigatório):

Nome:

Sobrenome:


FamiliarProfissional/ estudante da área de saúdeProfissional/ estudante da área de educaçãoOutro

Próximos cursos da Inspirados pelo Autismo:
Curso dinâmico e prático

“Finalmente encontrei um curso sobre autismo que atendeu minhas expectativas. Foi ministrado numa linguagem acessível, de forma dinâmica e prática, no qual assimilei um aprendizado que já me habilitou a lidar com o autismo.”

Ilza Correia, pedagoga
Curso sobre autismo.
Informações claras

“Informativo, interativo, responsivo e dinâmico. Curso muito organizado, bem estruturado, com informações claras e demonstrações muito sensibilizantes. Aporte teórico demonstrado na prática a todo o momento, facilitando o entendimento.”

Daniele Gomes, coordenadora pedagógica
Curso sobre autismo.
Inovador, prático e inspirador
“Inovador, prático, inspirador, conteúdo bem completo, considerando a amplitude das características do autismo.”
Yvina Baldo, professora e mãe
Curso sobre autismo.
Compreender o mundo do autismo
“Inspirador, me fez compreender o mundo do autismo (do meu filho) melhor, me deu força, esperança e me tirou do papel de expectadora, me abriu portas para um mundo diferente, me fez ter outros olhos e me deu o poder de fazer a diferença na vida do meu filho. Fiquei muito feliz de ter participado do curso e indico para todos os profissionais e familiares de pessoas com autismo.”
Danielle Speranza, mãe
Curso sobre autismo.
Aprender através de atividades prazerosas
“Como uma grande oportunidade de aprender, conhecer e desenvolver nossa sensibilidade de forma com que possamos auxiliar nossas crianças ou adultos com autismo a encontrar prazer em interagir socialmente, em brincar, aprender através de atividades lúdicas, interativas e prazerosas para ambas as partes. Vale a pena! É incrível!”
Fabrícia Corrêa Elias, professora
Curso sobre autismo.
Uma experiência fantástica
“Uma experiência fantástica, rica em conhecimento, informação. Superou minhas expectativas, realmente muito bom e proveitoso.”
Ellen Rolim, fonoaudióloga
Muito esclarecedor e motivador
“Fantástico, muito esclarecedor e motivador. Você sai do curso com vontade de chegar em casa e aplicar tudo que aprendeu.”
Lucia Sangiacomo, mãe